Apresentações PACAP 2: Patrícia Árabe, Marta Ramos, Rennan Fontoura

15 fevereiro (21h), 16 e 17 fevereiro (19h)
duração 40 mins + 30 mins + 40 mins
m/18, bilhete único 3€

O Espaço Alkantara acolhe novamente os ensaios e apresentações públicas dos trabalhos desenvolvidos no PACAP, Programa Avançado de Criação em Artes Performativas do Forum Dança, que nesta segunda edição contou com a curadoria da dupla Sofia Dias & Vítor Roriz.

-#READMORE#-

“A segunda edição do PACAP – Programa Avançado de Criação em Artes Performativas – começou com um convite à falha. A falha enquanto condição indissociável do fazer e do risco que é imaginar e especular a partir da nossa experiência parcial do mundo.

Responderam a este convite 15 artistas provenientes do Brasil, França, Itália, Lituânia, Uruguai e Portugal. Com idades compreendidas entre os 23 e os 38 anos e formação ou experiência nas artes performativas, artes plásticas, design, danças urbanas e teatro.

Cada um destes artistas fez dos seus pares o principal recurso do Programa, uma micro-comunidade de contornos quase utópicos.

Este ciclo é o primeiro momento de apresentação pública destes artistas nos seis meses do PACAP (de Setembro 2018 a Março 2019). Um ciclo de 14 peças que reflecte uma diversidade de imaginários, de modos de composição, de articulação entre forma e conteúdo, entre discurso e linguagem. São peças de 20 a 40 minutos produzidas num curto período de tempo e num contexto colectivo. O que faz com que estes trabalhos sejam tanto das pessoas que os protagonizam como daqueles que os acompanharam e influenciaram. Uma responsabilidade partilhada que gostaríamos de estender ao público que convidamos a assistir a este ciclo. Não só esperamos que vejam estas peças, como também que conheçam os artistas, que falem com eles e que divaguem a partir das suas propostas desdobrando os seus sentidos. É neste diálogo que o PACAP, enquanto Programa de Criação, se completa e se reconhece como um projecto cada vez mais integrado na comunidade.

Passaram por este Programa muitos outros artistas e teóricos que partilharam com generosidade os seus modos de fazer e pensar e os quais não podemos deixar de mencionar: Mário Afonso, Sónia Baptista, Neil Callaghan, Francisco Camacho, Alex Cassal, Liliana Coutinho, João Fiadeiro, Francisco Frazão, Philipp Gehmacher, Jared Gradinger, Luís Guerra, David-Alexandre Guéniot (Ghost), Miguel Gutierrez, Christiane Jatahy, Nádia Lauro, Vera Mantero, João dos Santos Martins, Sofia Neuparth, Inês Nogueira, Miguel Pereira, Paulo Pires do Vale, Tiago Rodrigues, John Romão, Vânia Rovisco, Jonathan Saldanha, Teresa Silva.”

Sofia Dias & Vítor Roriz

DESCARADA
de Patrícia Árabe

Sinta-se livre para se movimentar pelo espaço, aqui tudo é tratado como matéria, descaramente camuflado é combustível, há urgência de gerar espaço, há necessidade de tensionar as relações, há curiosidade em saborear o tempo real. Já está acontecendo, debaixo da sua pele, debaixo do seu nariz, na sua cara … (Patrícia Árabe)

Nota Biográfica

Patrícia Árabe é artista da dança, performer e coreógrafa brasileira. É formada em dança pela Universidade Estadual de Campinas/Unicamp.

-READMORE-

Dedica-se a pesquisa de direção coletiva desde 2009, quando fundou o Grupo Vão junto a outras quatro mulheres. Com elas, coreografou, dirigiu e dança os espetáculos “FIM” (2018), “No hay banda é tudo playback” (2017), “Move Cover” (2016), “Voo” (2013), “Quem com porcos se mistura farelo come” (2013), “Bando” (2012), “Instantâneo apenas não” (2010) e “Vão de passagem” (2009). Participou como artista colaboradora de várias edições da residência artística LOTE com direção de Cristian Duarte. Ainda com direção de Cristian, integra o elenco do concerto de dança BIOMASHUP e das performances “Jam 1mm of all that” e “O que realmente está acontecendo quando algo acontece”. Com direção de Clarice dança “supernada episódio-1”. Criou em 2013 o solo onde o oposto faz a curva contemplado pelo edital PROAC 06 com provocação artística de Renato Ferracini, Morena Nascimento e Tadashi Endo e em 2014 a performance “Impulso”. Em 2015, dentro do contexto Lote Osso, conduziu o laboratório intervenção DESCARADO. Participa no momento na segunda edição do Programa Avançado de Criação em Artes Performativas com curadoria de Sofia Dias & Vitor Roriz no Forum Dança em Lisboa, durante o qual desenvolveu o solo “DESCARADA” (2019). 

Ficha Artística

Criação e Interpretação Patrícia Árabe
Aconselhamento Artístico Sofia Dias & Vitor Roriz
Direção Técnica Zeca Iglésias
Produção Forum Dança

A body that hides also stands
de Marta Ramos

Como falar sobre invisibilidade enquanto seres visíveis que somos? Esta foi uma das premissas para desenvolver a peça “A body that hides also stands”. Através de palavras, desenhos, ações e silêncios, a peça toma a forma de pequenos capítulos que se fundem e se compõem: um livro. Um livro A5, com capa dura amarela e 96 páginas. (Marta Ramos)

Nota Biográfica

Marta Ramos (Porto, 1990) conclui o mestrado em Design de Comunicação na Escola Superior de Artes e Design (Matosinhos) com a dissertação “Do registo como condição coreográfica no design: experiência, notação e performance” (2014). Em 2016 frequenta o curso Graphic Diversity – Relief print, intaglio and lithography na Strezeminski Academy of Fine Arts Lodz (Polónia).

–READMORE–

Em 2017 realiza uma exposição de desenho intitulada “Cor de burro quando fica” (Porto) e a pós-graduação em Performance na FBAUP. No mesmo ano apresenta a performance “Gesto sobre Papel” no Serralves em Festa (Porto) e a performance “Gesto sobre Parede” no Festival Kadela Andalusa (Évora) e na galeria Zaratan (Lisboa). Actualmente participa na segunda edição do Programa de Criação Avançado em Artes Performativas no Forum Dança (Lisboa), com curadoria de Sofia Dias & Vitor Roriz, no qual desenvolveu a performance “A body that hides also stands” (2019).

Ficha Artística

Criação e Interpretação Marta Ramos
Aconselhamento Artístico Sofia Dias & Vitor Roriz
Direção Técnica Zeca Iglésias
Produção Forum Dança

MIRAGEM:(.404 )
de Rennan Fontoura

Partindo da ideia de informação como restrição, a performance convida o público a preencher os espaços sombreados por bordas maleáveis que se formam, reformam, viram a direita, balance point, acelera, muda o foco e sobra, isola a cabeça, volta pro tronco, acelera e salta dentro do imaginário de cada um. Um corpo que usando de uma linguagem alimentada por estímulos de signos que se repetem no cotidiano comum; posições extraídas de diferentes situações que dentro de uma “lógica” pessoal muitas vezes se dispersa e volta, aceita o ponto de dispersão e o inclui no não disperso, cria uma ficção (não) narrativa ou apenas te faz pensar em o que aconteceu durante o dia, quais roupas precisam ser lavadas ou ainda gerar uma vontade de rolar o feed de alguma rede social. (Renan Fontoura)

Nota Biográfica

Renann Fontoura (1993 , Porto Alegre , Brasil). Teve seus primeiros contatos com dança em 2008. Aprofundou estudos em danças que compõem o termo conhecido como “Danças Urbanas “. Sempre com grande foco na investigação da improvisação corporal, tendo como maiores bases o HipHop Dance e algumas técnicas da dança Popping.

-#READMORE#-

Em 2014 entrou para a companhia Grupo de Rua de Niterói (GRN), dirigida por Bruno Beltrão, trabalhando como intérprete nas peças H3 e Cracks . Começou um trabalho com a companhia Francesa RAMa em 2016, dirigida por Fabrice Ramalingom, atuando como Intérprete Criador na peça “ Nós , Tupi or not Tupi ?”. Em 2018 integrou o elenco da companhia Híbrida (Rio de Janeiro, Brasil) participando da criação da peça IN(in)terrupto e como intérprete nas peças Olho nu e Non stop. Atualmente cursando o PACAP 2 ( Programa Avançado de Criação em Artes Performativas ) sob a curadoria de Sofia Dias e Vitor Roriz, no espaço Forum Dança ( Lisboa, Portugal), onde está desenvolvendo seu primeiro trabalho autora, MIRAGEM:(.404).

Ficha Artística

Criação e Interpretação Rennan Fontoura
Música Ryoji Ikeda – Space
Aconselhamento Artístico Sofia Dias & Vitor Roriz
Direção Técnica Zeca Iglésias
Produção Forum Dança