Skip to content

Conteúdo principal

ALKANARA - Alkantara Festival 2021 - ©

Alkantara Festival 2021

Nota de imprensa

    Alkantara Festival regressa em novembro para ser “ponte” de encontros em Lisboa

    É sob a ideia de partilha e de reflexão que se apresenta a edição do Alkantara Festival em 2021, que decorrerá de 13 a 28 de novembro, em Lisboa. Durante duas semanas, vários projetos artísticos vão circular entre o Espaço Alkantara e as salas dos habituais parceiros do festival, como o Centro Cultural de Belém, a Culturgest, o São Luiz Teatro Municipal, o Teatro do Bairro Alto e o Teatro Nacional D. Maria II. Composta por dança, teatro e performances, a programação do festival promete abordar alguns dos principais temas da atualidade e ser a cada momento um ponto de encontro, de confronto e de experimentação.

    O festival arranca com História(s) do Teatro II (Histoire(s) du Théâtre II), do bailarino e coreógrafo congolês Faustin Linyekula, que assinala o seu regresso a Portugal. O espetáculo — que se estreou no Festival de Avignon, em 2019 — é apresentado, em estreia nacional, nos dias 13 e 14 de novembro, na Culturgest. Recorde-se que Linyekula é já um nome conhecido do público da capital, onde foi o artista convidado da Bienal Artista na Cidade 2016.

    Entre as estreias nacionais, o Alkantara Festival conta, também, com A Onda (L’Onde - 19 de novembro, no São Luiz Teatro Municipal), a mais recente criação da coreógrafa franco-argelina Nacera Belaza; o projeto da artista finlandesa Sonya Lindfors sobre a Negritude, Cosmic Latte (26, 27 e 28 de novembro, no Teatro do Bairro Alto), e CUTLASS SPRING (25 e 26 de novembro, no São Luiz Teatro Municipal), uma performance com assinatura da canadiana Dana Michel, que é também “uma etnografia da compreensão sexual e uma arqueologia do desejo.” O criador de Beirute, Ali Chahrour, que se apresenta pela primeira vez em Portugal, é outro dos nomes em destaque na edição deste ano. Traz ao festival Contado pela minha mãe, um relato familiar que tem como pano de fundo vários temas e acontecimentos relacionados com a sociedade libanesa. A obra é apresentada, em estreia nacional, a 24 e 25 de novembro, no Teatro Nacional D. Maria II.

    Relativamente às criações nacionais, o festival conta, entre outros projetos, com a apresentação de VelhⒶs (27 e 28 de novembro, São Luiz Teatro Municipal), do coreógrafo Francisco Camacho. A peça, que se estreou em 2019, tem como foco questões relacionadas com o envelhecimento da sociedade e dos seus efeitos no seio da comunidade artística. Como complemento ao espetáculo, será organizado um programa especial de quatro dias intitulado “Dança sem idade”, que inclui a realização do simpósio “Sensibilização para outros corpos” e atividades práticas para profissionais da dança com mais de 40 anos de idade.

    A programação do Alkantara Festival 2021 só será revelada na íntegra, em outubro, no Espaço Alkantara, em Lisboa.

    Voltar ao inicio
    This website is using cookies to provide a good browsing experience

    These include essential cookies that are necessary for the operation of the site, as well as others that are used only for anonymous statistical purposes, for comfort settings or to display personalized content. You can decide for yourself which categories you want to allow. Please note that based on your settings, not all functions of the website may be available.

    This website is using cookies to provide a good browsing experience

    These include essential cookies that are necessary for the operation of the site, as well as others that are used only for anonymous statistical purposes, for comfort settings or to display personalized content. You can decide for yourself which categories you want to allow. Please note that based on your settings, not all functions of the website may be available.

    Your cookie preferences have been saved.