Portas Abertas: Karōshi de Teatro da Cidade

29 de agosto, 19h
Espaço Alkantara
Entrada Livre

Karōshi (título provisório) é um projeto que surge da palavra japonesa que significa literalmente “morte por excesso de trabalho”. A partir deste conceito, o Teatro da Cidade pretende explorar os limites do ser humano face ao trabalho nos dias de hoje. O fenómeno Karōshi aparece pela primeira vez no fim dos anos 60, mas só nos anos 80 é reconhecido como fenómeno social, ligado a causas de excesso de trabalho, aquando de mortes súbitas de trabalhadores. Existem desde então vários relatos e medidas tomadas pelo Organização Internacional do Trabalho e pelo próprio Ministério de Saúde do Japão, em resposta a este acontecimento.

Tendo isto em vista, o espetáculo propõe-se a questionar os limites do corpo humano que se tenta adequar à sociedade em que vive, que lhe exige a produção rápida, eficiente, vivendo de objectivo em objectivo, muitas vezes vendo a recompensa posta em causa. As pessoas do século XXI, que se rendem à gravidade, e que adormecem no metro, nas escadas de uma estação de comboios, no passeio, alheadas da vida, adormecem até sucumbir completamente. O trabalho são os nossos dias, o local de trabalho o mundo inteiro. É também por este confronto entre espaço e tempo de trabalho que passará a construção do espetáculo. Propomos uma reflexão que passe pelo corpo do intérprete, uma narrativa do corpo humano e os seus limites, sustentada pela construção de um texto original e o apoio ao movimento de Luca Aprea.

Ficha Técnica

Texto e Encenação Criação Colectiva Teatro da Cidade

Interpretação Bernardo Souto, Guilherme Gomes, João Reixa, Nídia Roque, Rita Cabaço; Cenografia: Ângela Rocha
Apoio ao movimento Luca Aprea

Desenho de luz Rui Seabra
Produção Teatro da Cidade

Este espectáculo é uma criação colectiva do Teatro da Cidade, em coprodução com o Teatro Nacional D. Maria II

Mais informações

TEATRO DA CIDADE fundado em 2015, tem como membros fundadores Bernardo Souto, Guilherme Gomes, João Reixa, Nídia Roque e Rita Cabaço. Desde a sua estreia em 2016 com OS JUSTOS, de Albert Camus, no Teatro do Bairro Alto, apresentou quatro produções originais e foi convidado a integrar a programação do Festival de Almada, e do Teatro Nacional D. Maria II. Em Novembro de 2019 apresentará a sua quinta produção em coprodução com o TNDMII, que será uma criação colectiva. O Teatro da Cidade tem vindo a desenvolver o seu trabalho com base em textos teatrais, e na produção própria de textos originais que cria para os espectáculos. Inspirando-se nas mais diversas temáticas, as criações do Teatro da Cidade partem de uma reflexão constante perante movimentos sociais e políticos que nos parecem fundamentais questionar.