Segunda-Feira: Atenção à Direita

No primeiro espectáculo do ciclo de Sete Anos Sete Peças Cláudia Dias propõe reconstituir um combate de boxe. Punhos cerrados, full contact, uma coisa parece certa: Cláudia Dias e Jaime Neves vão dar e levar na boca literal e metaforicamente.

Pertencentes a uma comunidade que tem sido levada ao tapete vezes sem conta, quando se esmurrarem com argumentos, entre os prometidos sangue, suor e lágrimas, far-se-á luz, como nas fábulas esclarecidas. Ao sentimento de opressão, de que se libertam combatendo, opor-se-á o sentimento de solidariedade, entre pares, que se reforça no combate, quando eles se reconhecerem como iguais. Punhos cerrados. Destas forças contrárias, sai atrito bastante para passar das palavras aos actos.

©José Caldeira

Ficha Técnica

Conceito e direção artística Cláudia Dias
Artista convidado Pablo Fidalgo Lareo
Texto Cláudia Dias e Pablo Fidalgo Lareo
Intérpretes Cláudia Dias, Jaime Neves, Karas
Cenografia e desenho de luz Thomas Walgrave
Direção técnica Nuno Borda de Água
Treinador de Boxe Tailandês Jaime Neves

Acompanhamento Crítico Sete Anos Sete Peças Jorge Louraço Figueira
Difusão Something Great
Produção Alkantara
Coprodução Alkantara Festival e Noorderzon Performing Arts Festival Groningen no âmbito do NXTSTP / Programa Cultura da União Europeia; Goethe Institut e Maria Matos Teatro Municipal no quadro do projeto Europoly; Teatro Municipal do Porto
Residências artísticas Espaço Alkantara, Göteborg Dance and Theatre Festival e Vitlycke Centre for Performing Arts, com o apoio de KID Gothenburg, Teatro Extremo e Teatro Estúdio António Assunção, Companhia de Dança de Almada, O Espaço do Tempo, Teatro Municipal do Porto

Apresentações
2016

13 fev | Apresentação do work in progress, Festival Something Raw – Frascati Theater, Amesterdão
21 e 22 fev | Estreia,  Münchner Kammerspiele, Munique
3, 4 e 5 jun | Estreia nacional,  Alkantara Festival/Maria Matos TM
10 e 11 jun | Teatro Municipal do Porto – Rivoli/FITEI
22, 23, 24 ago |  Noorderzon Performing Arts Festival, Groeningen
18, 19, 20 set | Dublin Tiger Fringe
6 out |  Dantzaldia Festival/Alhóndiga – Azkuna Zentroa, Bilbau 
12, 13 out | Sirenos – Vilnius International Theatre Festival, Lituânia
22 out | Teatro Virgínia, Torres Novas
4 nov | TAGV – Teatro Académico Gil Vicente, Coimbra
19 nov | Casa Municipal da Juventude – Ponto de Encontro, Almada
16 e 17 dez | National Theatre de Atenas, Grécia

2017 

20 e 21 jan | Teatro Pumpenhaus, Münster, Alemanha
10 jun | Staatheater Bremerhaven, Alemanha
22 nov | Teatro Viriato, Viseu

2018

9 set  | Festa do Avante, Seixal
2 nov | Centro Cultural Vila Flor, Guimarães

2019

8 mar | Centro de Experimentação Artística da Moita
21 set |Plaza de la Quintana, Santiago de Compostela, Espanha

Notas Biográficas

Cláudia Dias nasceu em Lisboa, em 1972. É coreógrafa, performer e professora.
Concluiu o Mestrado em Artes Cénicas na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas/Universidade Nova de Lisboa e formou-se em dança na Academia Almadense. Continuou os seus estudos como bolseira na Companhia de Dança de Lisboa e concluiu o Curso de Formação de Intérpretes de Dança Contemporânea, promovido pelo Fórum Dança.
Iniciou o seu trabalho como intérprete no Grupo de Dança de Almada. Integrou o coletivo Ninho de Víboras. Colaborou com a Re.Al tendo sido uma intérprete central na estratégia de criação de João Fiadeiro e no desenvolvimento, sistematização e transmissão da Técnica de Composição em Tempo Real.
Criou as peças One Woman Show, Visita Guiada, Das coisas nascem coisas, Vontade De Ter Vontade e Nem tudo o que dizemos tem de ser feito nem tudo o que fazemos tem de ser dito.
Actualmente desenvolve o projecto Sete Anos Sete Peças , um projecto de longa duração que pretende contrariar a ideia de um futuro precário ou ausente.

#READMORE#

Pablo Fidalgo Lareo(Vigo, 1984) Escreveu o livro de poesia La educación física (Pre-textos, 2010), selecionado por El Cultural como um dos 5 melhoreslivros de poesia publicados em 2010 em Espanha. Em 2012 vence o Prémio Injuve de poesia com o livro La retirada. Publicou o livro El tiempo de las tragedias absurdas (Fundación Cuña-Casasbellas, 2012). Em 2013 publica Mis padres: Romeo y Julieta (Pre-textos), que em 2015 é publicado em português pela editora Averno. Os seus textos têm sido reconhecidos em várias antologias e foram traduzidos para várias línguas. Como artista a solo criou o espectáculo O estado salvaxe. Espanha 1939 (2013), que foi apresentado em vários Festivais em Espanha, Portugal e Argentina e que esteve em digressão em 2014 e 2015. A sua peça para adolescentes First we make the difficult than will do the impossible esteve em cena dirigida por Ana Borralho e João Galante e fez parte do ciclo PANOS da Culturgest em 2015. O seu trabalho já foi apresentado em Espanha, Portugal, Itália, França, Alemanha, Polónia, Chile, Uruguay, Brasil e Argentina. Fidalgo colaborou com os artistas Miguel Bonneville (Qué hacen a estas horas los coroneles?, 2014) Fon Román (Persona non grata, 2014), UxíaP. Vaello (Quinones/ Vaello, 2014) e Estefanía Garcia (La democracia, 2009). Colabora como curador independente para o Museo de Arte Contemporáneo de Vigo e foi o curador de Resistencias (2011) e Material Memoria (2013-2014). Foi também curador de El grado cero del teatro. Reescribir la história desde la escena (Alhóndinga Bilbao, 2014) e é consultor de vários Festivais. Desde 2014 dirige o projecto MARCO Escena e em Fevereiro de 2015 dirigiu o primeiro Festival de Inverno de Santiago de Compostela. Vive e trabalha em Lisboa.

 

Jaime Neves nascido em Novembro de 1968 na cidade de Luanda, é formado em Gestão Imobiliária, Treinador de Desporto Grau III pelo Instituto Português do Desporto e Juventude e tem o grau de Master em Muay-Thai e 8º Dan em KickBoxing. É Presidente do Conselho Nacional de Graduações, da Federação Portuguesa de KickBoxing e Muay-Thai desde Janeiro de 2014; Presidente da Direção do Clube Recreativo Pombalense em Almada desde Fevereiro de 2009; Fundador e Director Técnico da Academia de Desportos de Combate “Team NeverShake”. Foi membro fundador na World Muay-Thai Federation (Bangkok) em 1995, foi também Vice-Presidente e Presidente do Conselho Nacional de Arbitragem da Federação Portuguesa de KickBoxing entre 1997 e 2002. Entre 2004 e 2010 assume a direcção para Portugal e Brasil da empresa de promoção e produção de espectáculos de KickBoxing e Muay-Thai, “SuperLeague” com sede em Viena. Foi responsável pela montagem do primeiro centro de treino e captação de atletas profissionais de desportos de combate em São Paulo – Brasil. É um membro destacado da comunidade de dirigentes e treinadores nas modalidades de KickBoxing e Muay-Thai, com varios trabalhos efectuados na formação técnica de treinadores e árbitros. Conta com vários prémios: Prémio de Personalidade Desportiva do Ano atribuído pela Federação Portuguesa de Kick-Boxing (2003); Prémio de Árbitro do Ano atribuído pela Federação Portuguesa de Kick-Boxing (2001); Prémio de Dirigente do Ano atribúido pela Confederação do Desporto de Portugal (1998) ; Louvor pelo desempenho na Coordenação da Arbitragem – Campeonato da Europa de Muay-Thai (Barcelona – Março 1998); Tri-Campeão Nacional Muay-Thai – Classe A, categoria -60kg (1987, 1988 e 1989).

 

Karas,Luanda (Angola)1972. Licenciado em História da Arte pela Universidade Nova de Lisboa. Estudou Karate-Do Shotokai com Mário Rebola. Fez a sua formação teatral com Yolanda Alves, Etelvino Vazquéz (Espanha), Faidel Jaibi (Tunísia), Theodoros Terzopoulos (Grécia), Paulo Filipe Monteiro, Luís Miguel Cintra e Peter Stein. Fez formação em dança contemporânea com Peter Michael Dietz, Shane O´Hara, Howard Sonenklar, Cláudia Dias e Bóris. Actor desde 1987, representou peças de Gil Vicente, García Lorca, Eurípides, Tchekov, Oscar Wilde, Woody Allen, Plauto, Steven Berkoff, Harold Pinter, Heiner Müller, Boris Pasternak, entre outros. Fundou, em 1996, a companhia multidisciplinar Ninho de Víboras (Almada, Portugal), onde encenou espectáculos sobre textos de Heiner Müller, Oscar Wilde, José Luís Peixoto, Patrick Suskind, Harold Pinter e também de sua autoria.