Ir para o conteúdo

Conteúdo principal

Conversas após os espetáculos

Conversas após os espetáculos - ©
  • 11.11 — 27.11 2022
  • Conversas
  • Vários Locais

As conversas após o espetáculo do Alkantara Festival são espaços de partilha entre as equipas artísticas e pessoas convidadas para discutir as propostas apresentadas. No palco onde os espetáculos são apresentados estabelecem-se ligações entre perspectivas internacionais e locais, individuais e coletivas.


As conversas são moderadas pela investigadora palestiniana Shahd Wadi, que no seu “exercício quotidiano de liberdade”, transita entre a tradução, a escrita, a curadoria e a criação de narrativas artísticas no contexto da ocupação israelita da Palestina. Shahd vai conduzir-nos por um ciclo de conversas que tem na sua génese “as palavras”, “os trânsitos” e “os movimentos”.


Em 2022, o programa inclui quatro conversas:


Depois de “O Making Of do Pinóquio”, Rosana Cade e Ivor Macaskill conversam com o poeta André Tecedeiro sobre uma história real de amor e transição contada através da história fantástica de Pinóquio, mas também sobre poemas e palavras escritas, faladas, sentidas e transitadas. Num misto de palavras em inglês e português, caberá a Alice Azevedo a tradução simultânea.


Depois de “Out Of the Blue”, Silke Huysmans e Hannes Dereere juntam-se à investigadora Margarida Mendes para discutirem as suas reflexões e investigações sobre a indústria da mineração em mar profundo. Sabemos mais sobre a superfície da lua do que sobre o fundo do mar. Nesta conversa, os ecrãs de “Out of the Blue” e a experiência de Margarida Mendes com o cinema documental trarão reflexões e novas perspectivas.


Depois de “Sacrifico Enquanto Estou Perdido na Terra Salgada”, Hooman Sharifi e bailarinos e bailarinas do espetáculo conversam com a investigadora Shahd Wadi sobre sacrifício. O que pode sacrifício significar hoje? Pode o sacrifício ser visto como um acto poético e específico, um evento quotidiano que acontece na vida de todas as pessoas?


Depois de “BOCA FALA TROPA”, Gio Lourenço e o escritor e músico Kalaf Epalanga brindam-nos com a poesia do Kuduro como movimento de corpo, mas também de resistência, seja nos trânsitos que os fizeram partir de Angola, seja pela passagem/permanência/vivência em Lisboa, Berlim e pelo mundo. E por falar em palavra e movimento, a conversa após o espetáculo contará com interpretação em Língua Gestual Portuguesa.

Shahd Wadi

Shahd Wadi é Palestiniana, entre outras possibilidades, mas a liberdade é sobretudo palestiniana. Tenta exercer a sua liberdade também no que faz, viajando entre investigação, tradução, escrita, curadoria e consultorias artísticas. Procurou as suas resistências ao escrever a primeira dissertação de Doutoramento em Portugal, em Estudos Feministas pela Universidade de Coimbra, que serviu de base ao livro “Corpos na trouxa: histórias-artísticas-de-vida de mulheres palestinianas no exílio” (2017). No seu trabalho aborda as narrativas artísticas no...

André Tecedeiro

André Tecedeiro é um poeta e dramaturgo português nascido em 1979. Tem background em artes plásticas e psicologia e é trans e ativista pela visibilidade da diversidade de género. Publicou sete livros de poesia em Portugal, Brasil e Colômbia, entre os quais A Axila de Egon Schiele (Porto Editora, 2020), recomendado pelo Plano Nacional de Leitura. Poemas seus estão traduzidos para inglês, espanhol, catalão, grego e esloveno. Na área da dramaturgia escreveu “Joyeux Anniversaire” (Teatro Meia Volta, 2021); “Desfazer” (Ao Cabo Teatro - Projeto...

Margarida Mendes

Investigadora, curadora e educadora, explora a sobreposição entre a teoria de sistemas, o cinema experimental, as práticas sonoras e ecopedagogia. Cria fóruns transdisciplinares, exposições e obras experimentais em que que modos de educação alternativa e práticas de auscultação podem catalisar a imaginação política e ações restauradoras. Tem um envolvimento de longa data com ativismo anti-extrativista e ecopedagogia, colaborando com ONGs marítimas, Universidades e instituições do mundo artístico. Dirigiu diversas plataformas de educação e...

Kalaf Epalanga

Kalaf Epalanga (1978) é um escritor e músico nascido em Benguela, Angola e radicado em Berlim. Como músico, foi co-fundador da editora discográfica Enchufada e da banda Buraka Som Sistema (em hiato desde 2016). Escreveu crônicas para o jornal O Público, GQ Magazine (Portugal) e REDE Angola e atualmente escreve para a revista literária brasileira Quatro Cinco Um. Foi também curador da edição African Book Festival 2021 em Berlim. Publicou duas coleções de crônicas 'Estórias de Amor para Meninos de Cor' e 'O Angolano que Comprou Lisboa (Por Metade do...

Artigos relacionados:

Voltar ao inicio
This website is using cookies to provide a good browsing experience

These include essential cookies that are necessary for the operation of the site, as well as others that are used only for anonymous statistical purposes, for comfort settings or to display personalized content. You can decide for yourself which categories you want to allow. Please note that based on your settings, not all functions of the website may be available.

This website is using cookies to provide a good browsing experience

These include essential cookies that are necessary for the operation of the site, as well as others that are used only for anonymous statistical purposes, for comfort settings or to display personalized content. You can decide for yourself which categories you want to allow. Please note that based on your settings, not all functions of the website may be available.

Your cookie preferences have been saved.