Ir para o conteúdo

Conteúdo principal

ALKANARA - Afrontosas - ©

Afrontosas

  • 15.02 2018
  • Eventos Públicos
  • Espaço Alkantara
  • Entrada livre

Afrontosas são encontros de pessoas da comunidade negra, organizados pela Djass – Associação de Afrodescendentes, que misturam artes performativas e conversas relacionadas com o universo da negritude queer em Portugal.

Negritude queer?

Historicamente a sexualidade das pessoas negras foi reduzida através de um viés colonialista e heteronormativo que considerava os corpos negros como objetos de trabalho e de prazer, construíndo uma imagem sobre o desempenho sexual de pessoas negras que criou até hoje um problema social.

Também no âmbito LGBT, pessoas brancas participaram do processo de colonização de corpos negros. O modelo ocidental homonormativo, baseado muitas vezes nas políticas heteronomativas sobre a sexualidade, era exclusivo para europeus que usufruíam de privilégios para explorar diferentes espectros da sua sexualidade. A sexualidade negra ocidental só podia existir se concordasse em incorporar um modelo branco de ser queer, resultando na continuidade do apagamento da cultura negra.

No âmbito político, o movimento queer e o movimento negro desenvolveram-se paralelamente. Embora existam vários exemplos de ativismo negro na luta da liberdade sexual (como aconteceu em Stonewall), a questão da identidade negra queer não permaneceu como uma situação crucial no âmbito das lutas raciais, de classe e de género. Ainda que a luta LGBT seja muitas vezes assumida como coletiva, a homogeneização política acabou por continuar a favorecer apenas as identidades historicamente privilegiadas.

Nas conversas Afrontosas, queremos falar sobre isso, enquanto refletimos sobre questões como:

- O que significa ser uma pessoa negra queer?

- Como converter a falsa ideia de uma virilidade exclusiva de pessoas racializadas em situações de afirmação positiva da sexualidade negra?

- Como seria possível uma experiência negra queer quando consideramos que o racismo está presente na comunidade branca LGBT?

- Como pessoas negras queer analisam a questão da representatividade política dentro dos movimentos LGBT?

- Que propostas se podem fazer no sentido de alertar o movimento LGBT sobre a importância de superar a retórica utópica da identidade coletiva a fim de evitar que tal homogeneização política continue a favorecer apenas as identidades historicamente privilegiadas?

- Que caminhos as pessoas negras queer podem trilhar a fim de incluir na agenda da comunidade queer propostas de combate ao racismo?

- Como o conceito a identidade negra queer pode ser utilizada para afrontar a política hetero/homonormativa branca que defende uma adequação social dos corpos, dos modos de vida e dos desejos a estruturas sociais existentes?

Performance musical de Marcos Aganju / Plantations Sons
Conversa com com Áquilla Correia, Alexa Santos, Antonio Ferreira, Caroline Elis, Di Candido e Rodrigo Ribeiro.

Áquilla Correia, multi-artista, afrotravesti brasileira, académica e mestra.

Alexa Santos, Investigadora júnior do Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra integrada no projeto Diversity and Childhood (DaC). É licenciada em Serviço Social pela Universidade Católica Portuguesa e mestre em Género, Sexualidade e Teoria Queer pela Universidade de Leeds (UK). Os interesses de investigação passam pelas práticas e discursos de profissionais do Serviço Social em relação à diversidade, questões de género e diversidade sexual, teoria queer, juventude, estudos feministas e colonialismo

António Ferreira, Ameríndio-Afro-Luso. É congado, carnaval e cultura Popular. É umbanda, de omolu e Iansã. É dançarina-performer-ator. É arte, educação e política. É aprendiz, guerrilheiro, e devoto da coletividade militante. Doutorado em educação artística e colaborador dos coletivos Chão e Educar.

Carolina Elis, artivista afro-brasileira, focada em narrativas negras e afro-feministas como forma de transgressão e luta anti racista.

Diego Candido, brasileiro, Mestrando em Comunicação, Cultura e Tecnologia no ISCTE-IUL, especialista jurídico e negócios com atuação em instituições públicas, startups, coletivos independentes de arte / cultura e indústria criativa em geral, com experiência em produção, viabilização e marketing em projectos governamentais, académicos e culturais e de mídia, em agências de comunicação no Brasil, Portugal, Reino Unido e Estados Unidos. Produtor executivo e consultor ao longo da estratégia de financiamento vinculada ao planejamento e implementação da 7th Biennial Afroeuropeans Network Conference em 2019, realizada no ISCTE-IUL (Instituto Universitário de Lisboa), com um marcante programa artístico e cultural para a comunidade negra em Portugal, o que garantiu a conexão de muitos acadêmicos, ativistas e artistas da diáspora africana vindos de todo o mundo para a participação no evento. Di Candido também é o anfitrião / DJ da House of Didi no 49ZDB e da Plataforma bee. no Damas Bar, para conectar a “Black Queer Magic” ao sentido de festas, artes e cultura em Lisboa, por viabilizar espaço para artistas locais e promover a Cultura Preta em diáspora.

Áquilla Correia

Áquilla Correia, multi-artista Afro/Travesti Brasileira, é residente há três anos em Lisboa. Cursou a licenciatura em teatro na Universidade Federal de Uberlândia, MG, Brasil e se mestrou em Teatro e Comunidade pela Escola Superior de Teatro e Cinema. Áquilla desenvolve, desde o seu percurso no Brasil, trabalhos que dialogam com identidade de género e que tornam acessível o ingresso profissional das corpas travestis dentro das diversas linguagens artísticas como protagonistas de suas próprias dramaturgias. Na corrida pela emancipação de corpas travestis,...

Voltar ao inicio
This website is using cookies to provide a good browsing experience

These include essential cookies that are necessary for the operation of the site, as well as others that are used only for anonymous statistical purposes, for comfort settings or to display personalized content. You can decide for yourself which categories you want to allow. Please note that based on your settings, not all functions of the website may be available.

This website is using cookies to provide a good browsing experience

These include essential cookies that are necessary for the operation of the site, as well as others that are used only for anonymous statistical purposes, for comfort settings or to display personalized content. You can decide for yourself which categories you want to allow. Please note that based on your settings, not all functions of the website may be available.

Your cookie preferences have been saved.