Ir para o conteúdo

Conteúdo principal

ALKANARA - Kátia Manjate - ©

Kátia Manjate

Portas abertas de Sexo (con)sentido

  • 31.07 2019
  • Eventos Públicos
  • Artistas em residência
  • Portas Abertas
  • Espaço Alkantara
  • entrada livre

Nascida poucos anos depois da guerra da independência e no princípio da guerra civil que viria a durar 16 anos, posso afirmar que a minha primeira relação com a vida em geral foi uma relação de violência. Violência dos 500 anos de colonização, dos 16 anos de guerra civil, violência de um regime marxista-leninista.

Neste tempo, a violência é visivelmente consciente e exposta. Sentimo-la, rodeamo-nos dela, encontramos uma certa familiaridade. Uma estranha mistura de violência, ternura, alegria e tristeza, egoísmo e fraternidade, todas essas coisas que constroem certamente muitas famílias, no que diz respeito a Moçambique foi ainda mais longe, agravou-se em cada canto, ela misturou-se aos anos de guerra, “moçambicanizou-se”. Casamentos prematuros, violência doméstica, violência da guerra, violência do exílio, violência sexual, violência de palavras, gestos, olhares….

E como mulher, por apenas sermos mulheres, somos todas danificadas, desapossadas psicologicamente, sexualmente e em todos os outros níveis, e ainda assim sentimos necessidade de lutar para mudar a nossa condição. Existimos como mulheres, cada uma abandonada pelo momento.

Sexo (con)sentido, da coreógrafa moçambicana Kátia Manjate, é uma espécie de denúncia, um relato, uma experiência traumática que traz com ela questões sobre os direitos humanos, liberdade e sexualidade feminina. Sexo (con)sentido manifesta o desejo da mulher poder ser dona do seu próprio corpo e administrar as formas de prazer que lhe são importantes e satisfatórias, independentemente de opiniões morais, religiosas ou outras que atendam a alguma forma de controlo. A poética deste trabalho centra-se em movimentos conscientes e inconscientes de corpo que partem do estado emocional, a violência corporal e emocional como chamada de atenção para o corpo feminino, as mensagens que carrega e que reflexão que podemos fazer a partir daí sobre os tabus e sistemas de opressão que a sociedade foi impondo à mulher.

O universo deste projeto nasce do intimo, da experiência do quotidiano, da vivência, da essência daquilo que se vê, se diz e se mostra. Dia 31 de julho abrimos portas para a partilha.

Notas Biográficas

Katia Manjate (1984), em 1994 Iniciou a sua formação em danças tradicionais na casa de cultura do Alto Maé, e mais tarde 1999 como membro da associação grupo de canto e dança Milorho, onde foi desenvolvendo o seu trabalho como bailarina. Em 2003 continua a sua formação específica em dança contemporânea no Programa de treino profissional em dança contemporânea, organizado pela Culturarte e danças na cidade, onde recebeu uma formação profissional com vários coreógrafos nacionais e internacionais.
Actualmente desenvolve o seu trabalho como interprete e criadora. Dos seus trabalhos mais recentes destacam-se sexo (con) sentido que teve a primeira apresentação em Senegal (Dakar) e Maputo (Moçambique), e Casa criado no âmbito do Programa Pamoja, em colaboração com artista bailarina de Madagáscar ,Judith Olivia e o artista plástico Moçambicano, Válter Zand. Em 2016/7, participou no projeto transcontinental Shift Realities dos centros culturais alemães Hellerau e Tanzhaus em parceria com a Ecole de Sables. Onde co-criou a peça Fragiland em parceria com os os coreógrafos Jason Jacobs, Souleymane Ladji Koné , Anna Till. A sua mais recente criação Life in numbers em colaboração com a coreógrafa Alemã, Anna Till, tem estreia agendada para Outubro de 2019 na Alemanha e Moçambique. É mãe de dois desde 2006, vive em Maputo e trabalha nas áreas de coreografia, artes na educação, assim como sobre as relações entre o teatro e a dança.

Katia Manjate

Katia Manjate (1984), em 1994 Iniciou a sua formação em danças tradicionais na casa de cultura do Alto Maé, e mais tarde 1999 como membro da associação grupo de canto e dança Milorho, onde foi desenvolvendo o seu trabalho como bailarina. Em 2003 continua a sua formação específica em dança contemporânea no Programa de treino profissional em dança contemporânea, organizado pela Culturarte e danças na cidade, onde recebeu uma formação profissional com vários coreógrafos nacionais e internacionais. Actualmente desenvolve o seu trabalho como interprete e...

Voltar ao inicio
This website is using cookies to provide a good browsing experience

These include essential cookies that are necessary for the operation of the site, as well as others that are used only for anonymous statistical purposes, for comfort settings or to display personalized content. You can decide for yourself which categories you want to allow. Please note that based on your settings, not all functions of the website may be available.

This website is using cookies to provide a good browsing experience

These include essential cookies that are necessary for the operation of the site, as well as others that are used only for anonymous statistical purposes, for comfort settings or to display personalized content. You can decide for yourself which categories you want to allow. Please note that based on your settings, not all functions of the website may be available.

Your cookie preferences have been saved.