Ir para o conteúdo

Conteúdo principal

ALKANARA - Tita Maravilha e Cigarra - ©

Tita Maravilha e Cigarra

Portas Abertas de Trypas Corassão

  • 17.05 2019
  • Eventos Públicos
  • Artistas em residência
  • Portas Abertas
  • Espaço Alkantara
18 de maio, 19h
Espaço Alkantara
Entrada livre

Como experiência de experimentação em artes performativas, este projeto traz a potência rasgada que vem de dentro, que existe sendo tripa e coração, como corpo que sangra e que gera sentimento, enquanto ser sensível e carnal. Partimos da expressão “das tripas, coração” para falar de entrega, determinação. Do tipo: “Ela fez das tripas, coração”.

Trypas Corassão deseja ser um projeto estético-artístico-político, que consiste numa criação híbrida de performance-música-teatro em três atos.
Aqui será exposto o processo criativo do 2º ato, uma pesquisa voltada para a estética ultra-romântica. O corpo que carrega várias lembranças e deslembranças relacionadas com ódio e violência, mas também de muito poder de mudança e caminhos de amor (somos amor, trazemos amor). A partir destas transformações, ódio e revolta viram material de poder, auto cura, viagem, olhar, poesia, música, vídeo, performance…
Trabalhando através de diversas linguagens como o fado, o bolero, o brega, o cristianismo rústico, o over dramático e o pós-romântico, trazemos como desejo temático, a tentativa de entender as fronteiras, desfronteiras, re-fronteiras… da significação dessa palavra que move universos que é “AMOR”.

Notas Biográficas

Tita Maravilha é atriz, performer, cantora, dançarina, drag queen, palhaça, apresentadora e dj. Graduada em Artes cênicas pela Universidade de Brasília (Brasil). É parte integrante do grupo de teatro “Trazeiros de teatro caseiro” e do projeto musical “Rainhas do Babado”, onde canta anarcofunk e com quem lançou em 2018 o EP: “Sintomas de destruição”. Performer e cantora dos blocos carnavalescos “Bloco do amor”- Brasília e “Blocu´s”- Lisboa e da banda cênico-performática-musical “Cantigas Boleráveis”, vice-campeã do Festival Universitário de Música Candanga(FINCA) em 2014. Atua, desde 2007, em vários espectáculos relacionados com projetos e festivais dentro e fora da Universidade no Brasil. Estudou na Escola Profissional de Teatro de Cascais em 2008. Em Brasília trabalhou teatro, dança, performance e teatro performativo com mestres(as) da cena cultural da cidade, como Simone Reis, Bia Medeiros, Gisele Rodrigues e Hugo Rodas. É membro do grupo de pesquisa em teatro LPTV(Laboratório de Performance e Teatro do Vazio), sob orientação da professora e diretora teatral Simone Reis, da UNB. Em Lisboa faz parte da “SOMA”- Coletivo que une vários coletivos cidade para fazer festas-performance.
Artista Híbrida. Inventora de universos.

Ágatha Barbosa (a.k.a. Cigarra) é DJ, produtora e label manager. Cresceu na densa cena underground de São Paulo e participou na efervescência das suas festas e festivais assim como na formação original da conceituada Voodoohop. Há uma década explora sets únicos, e a partir desta experiência cria seus próprios casulos sonoros. Em 2016 lançou o EP Límbica e em 2018 Ato pela Tropical Twista Records, onde foi também manager e curadora expoente compilação feminina Hystereofônica, que conta com três volumes e mais de 60 mulheres envolvidas e agora acaba de se tornar um selo independente com um programa mensal na Rádio Quântica em Lisboa. Ágatha também expressa sua visão do mundo como artista e performer audiovisual tendo participado com trabalhos em festivais no Brasil, Portugal e Alemanha. Nas suas paisagens sonoras e produções, ela mergulha na pesquisa de apropriação de samples (plunderphonics e copyleft) desvendando uma cultura popular, periférica, contemporânea e glocal.

Mais informação

Rainhas do Babado – EP sintomas de destruição

Tita: travesti pirenopolinda

Cigarra — VOODOOHOP

Trypas Corassão

Tita Maravilha é atriz, performer, cantora, dançarina, drag queen, palhaça, apresentadora e dj. Graduada em Artes cênicas pela Universidade de Brasília (Brasil). É parte integrante do grupo de teatro “Trazeiros de teatro caseiro” e do projeto musical “Rainhas do Babado”, onde canta anarcofunk e com quem lançou em 2018 o EP: “Sintomas de destruição”. Performer e cantora dos blocos carnavalescos “Bloco do amor”- Brasília e “Blocu´s”- Lisboa e da banda cênico-performática-musical “Cantigas Boleráveis”, vice-campeã do Festival...

Voltar ao inicio
This website is using cookies to provide a good browsing experience

These include essential cookies that are necessary for the operation of the site, as well as others that are used only for anonymous statistical purposes, for comfort settings or to display personalized content. You can decide for yourself which categories you want to allow. Please note that based on your settings, not all functions of the website may be available.

This website is using cookies to provide a good browsing experience

These include essential cookies that are necessary for the operation of the site, as well as others that are used only for anonymous statistical purposes, for comfort settings or to display personalized content. You can decide for yourself which categories you want to allow. Please note that based on your settings, not all functions of the website may be available.

Your cookie preferences have been saved.