Ir para o conteúdo

Conteúdo principal

Um mergulho de corpo inteiro - entre o prazer e a urgência

Nota da Direção Artística

  • 02.11 — 30.11 2022

No Alkantara, ao longo de meses, em diferentes contextos, em diferentes cidades, encontrámo-nos com artistas que nos desafiam a repensar a forma como estamos no mundo. Artistas com quem partilhamos inquietações, com quem imaginamos novas formas de trabalhar, e nas peças de quem reconhecemos discursos e questões essenciais para podermos construir futuros diferentes daqueles que nos são impostos.

O Alkantara Festival é o momento de celebração em que partilhamos esses encontros e os abrimos a todas as pessoas que se queiram juntar a nós. No Alkantara Festival 2022, entre 11 e 27 de novembro, reunimos artistas, performers, ativistas, coros, foliões, clubbers, djs, equipas técnicas e de produção, cientistas, guardiães de rios e de florestas, para que em conjunto possamos continuar a ampliar e a multiplicar perspectivas.

É esta comunidade temporária que nos convida a assistir a espetáculos de diferentes lugares, a caminhar junto ao rio, a dançar em festas que são lugares de celebração e resistência, a participar em conversas e conferências.

Ao longo do festival será possível traçar muitos caminhos, a partir de movimentos, elementos e perspectivas.


Começamos por assistir de cima, a partir de uma estrutura de andaimes, a uma ópera, na praia artificial de Sun & Sea. Aqui, entre os relatos quotidianos, uma adolescente canta sobre como não conseguiu dormir quando soube que a grande barreira de coral vai desaparecer nos próximos anos. Ainda junto à água, Natural Contract Lab propõe-nos uma caminhada e uma ágora junto ao Tejo, encontros para praticarmos estratégias de cuidado e atenção que permitam a preservação do rio. De volta ao palco, com Out of the Blue, Silke Huysmans e Hannes Dereere mergulham até ao fundo do mar para nos mostrar como a nova indústria de mineração em mar profundo pode vir a destruir ecossistemas que mal conhecemos. Entre o salto e o mergulho, Betty Tchomanga confronta-nos com a sua Mami Wata, uma sereia venerada e temida, nas culturas africanas e afrodiaspóricas. De regresso à areia,Ana Pi acolhe-nos no altar que dedica a Maya Deren e a Katherine Dunham, com as quais dialoga, visitando gestos ancestrais, reimaginando passados e o que está por vir.

Depois de mergulhos no mar e percursos junto ao rio aproximamo-nos das florestas. Na Escola Refloresta Livre, o projeto Terra Batida convida-nos a conhecer a fragilidade de ecossistemas, as práticas de monocultura, as tragédias e as crises ambientais provocadas por incêndios, mas também novas propostas regenerativas. É recusando ideias de monocultura e identidades fixas, que Cade & MacAskill nos mostram uma perspetiva queer da construção do pinóquio, com uma outra possibilidade sobre o que é ser um menino de verdade. A pensar nas escolhas para que se possa ser livre de verdade, Hooman Sharifi reuniu um grupo de bailarinas e bailarinos do Irão para refletir sobre o sacrifício a partir do movimento, da dança e do corpo. Foi na dança e na música, especificamente no Kuduro, que Gio Lourenço encontrou uma forma de se relacionar com Angola, a partir de Portugal. Também próximo de manifestações afrodiaspóricas em Portugal, DIDI convida-nos para Afropolitana, uma festa que celebra expressões artísticas e culturais da diáspora africana.

Percorrendo memórias e histórias, Ana Borralho e João Galante convidam-nos a olhar para vinte anos de histórias de vida e de criação em conjunto. Também habituados a trabalhar em dupla, Sofia Dias e Vitor Roriz decidiram alargar a sua dupla para um quarteto, convidado outra dupla, Filiz Sızanlı e Mustafa Kaplan para pensar sobre semelhança e diferença. Jaha Koo, com as suas máquinas de cozer arroz, leva-nos pelas suas memórias da história de vinte anos de crise e morte na Coreia do Sul enquanto reflete sobre a felicidade.

Se pensarmos em prazer e em confronto pensamos em Vânia Doutel Vaz e na forma como no Elefante no Meio da Sala convoca possibilidades e multiplicidades para nos desorientar. É também através do prazer da dança que Marlene Monteiro Freitas e a Companhia Dançando com a Diferença nos colocam, naquilo que podia ser uma festa onde se dança até à exaustão. O que nos traz de volta ao início, a Pira, a festa do Núcleo MeioFio, que na abertura do festival nos traz uma celebração de ciclos de fim e de início, para dançarmos em conjunto.


David Cabecinha

Co-diretor artístico, juntamente com Carla Nobre Sousa

Voltar ao inicio
This website is using cookies to provide a good browsing experience

These include essential cookies that are necessary for the operation of the site, as well as others that are used only for anonymous statistical purposes, for comfort settings or to display personalized content. You can decide for yourself which categories you want to allow. Please note that based on your settings, not all functions of the website may be available.

This website is using cookies to provide a good browsing experience

These include essential cookies that are necessary for the operation of the site, as well as others that are used only for anonymous statistical purposes, for comfort settings or to display personalized content. You can decide for yourself which categories you want to allow. Please note that based on your settings, not all functions of the website may be available.

Your cookie preferences have been saved.