Ir para o conteúdo

Conteúdo principal

ALKANARA - Marta Lança - ©Maria Mire
@ Maria Mire

Marta Lança

Superintensiva [Terra Batida]

  • 16.11 — 17.11 2020
  • Estreia absoluta
  • Teatro São Luiz - Sala Mário Viegas
  • Gratuito
  • mediante levantamento de bilhete
  • M/12
  • 90 min
  • em português, legendado em inglês

Atravessemos um olival de vários tons e intensidades. Este percurso começou a ganhar forma na minha cabeça quando procurava qualidade de vida, isto é, ar e espaço, para criar uma criança. Num monte de cultura de sequeiro, as flores silvestres brotam dentro e fora do murinho de pedra-sobre-pedra. Ourique, capital do porco preto e seus lagartos, secretos, plumas e bochechas. No caminho de carro, vejo estacas branquinhas alinhadas ao estilo cemitério americano. Passados uns meses, sebe-oliveiras atrofiadas no tamanho e na copa, de produção precoce, assistida por herbicidas e agroquímicos. Fecho os vidros ao fumo pestilento do bagaço de azeitona, imagino as partículas tóxicas nas linhas de água, na roupa, nas paredes, nos pulmões. Contrária ao ar contaminado e ao tempo que esboroa, a resiliência da oliveira, guardiã de línguas proféticas e do Mediterrâneo, madrinha dos nossos refugados. Procuro tecer familiaridade, vestígio e estranhamento, numa paisagem de experimentação política, onde há séculos se resiste à pobreza, seca, despovoamento e exploração.

Marta Lança

Performance apresentada no contexto do projeto Terra Batida. Marta Lança participou nas várias etapas de residência no Alentejo e em Ílhavo. Este trabalho proveio muito da estadia em Ourique onde se abordou o modelo superintensivo de plantação.

Terra Batida é uma rede de pessoas, práticas e saberes em disputa com formas de violência ecológica e políticas de abandono. O conhecimento singular e local de conflitos socioambientais, aliado à ação em rede, convocam resistência aos abusos extrativos e também pedem cuidado: para especular e fabular, para construir visões e vidências sensoriais entre mundos exauridos e exaustos. Todos os eventos do Terra Batida no Alkantara Festival são de entrada livre.

Performance Marta Lança Ensaio visual Maria Mire Sonoplastia Nuno Mourão Tradução Marta Prino Peres

Superintensiva é apresentado em sessão dupla com Rasante de Joana Levi

Marta Lança (Lisboa, 1976) é doutoranda em Estudos Artísticos (com bolsa da FCT). Os temas de pesquisa passam pelo debate pós-colonial, programação cultural, processos de memorialização, plataformas de discurso e estudos africanos. Desde 2010, é editora do site BUALA. Escreve para publicações em Portugal, Angola e Brasil. Traduziu do francês livros de Maxence Fermine, Jacques-Pierre Amettea, Asger Jorn e Achille Mbembe. Lecionou na Universidade Agostinho Neto, Luanda. Como programadora: Roça Língua, encontro de escritores lusófonos (São Tomé e Príncipe, 2011); o ciclo Paisagens Efémeras, dedicado a Ruy Duarte de Carvalho (2015); com Rita Natálio, Expats (FITEI, 2015); Vozes do Sul para o Festival do Silêncio (2017); colaborou no projeto NAU, com o Teatro Experimental do Porto (2018); com Raquel Lima, “Para nós, por nós: produção cultural africana e afrodiaspórica em debate” (2018) e foi curadora do programa “Eu sou esparça e a liquidez maciça. Gestos de Liberdade” (Maat, 2020). Tem experiência em cinema (pesquisa, produção, argumento, representação).

Maria Mire (Maputo, 1979) é artista plástica. Tem trabalhado de modo colaborativo em diversos coletivos artísticos. O trabalho artístico e de investigação que desenvolve é sobretudo centrado nas questões da percepção da imagem em movimento. Realizou o filme "Parto sem Dor" a partir da figura da médica obstetra Cesina Bermudes. Atualmente é professora e co-responsável do Departamento de Cinema/Imagem em Movimento do Ar.Co, em Lisboa. Doutorada em Arte e Design pela Faculdade de Belas Artes do Porto em 2016, com a tese “Fantasmagorias: a imagem em movimento no campo das Artes Plásticas”.

Marta Lança

Marta Lança (Lisboa, 1976) é doutoranda em Estudos Artísticos (com bolsa da FCT). Os temas de pesquisa passam pelo debate pós-colonial, programação cultural, processos de memorialização, plataformas de discurso e estudos africanos. Desde 2010, é editora do site BUALA. Escreve para publicações em Portugal, Angola e Brasil. Traduziu do francês livros de Maxence Fermine, Jacques-Pierre Amettea, Asger Jorn e Achille Mbembe. Lecionou na Universidade Agostinho Neto, Luanda. Como programadora: Roça Língua, encontro de escritores lusófonos (São Tomé e...

Artigos relacionados:

Voltar ao inicio
This website is using cookies to provide a good browsing experience

These include essential cookies that are necessary for the operation of the site, as well as others that are used only for anonymous statistical purposes, for comfort settings or to display personalized content. You can decide for yourself which categories you want to allow. Please note that based on your settings, not all functions of the website may be available.

This website is using cookies to provide a good browsing experience

These include essential cookies that are necessary for the operation of the site, as well as others that are used only for anonymous statistical purposes, for comfort settings or to display personalized content. You can decide for yourself which categories you want to allow. Please note that based on your settings, not all functions of the website may be available.

Your cookie preferences have been saved.