Ir para o conteúdo

Conteúdo principal

ALKANARA - Terra Batida - ©Joana Levi
@ Joana Levi

Terra Batida

Apresentação da rede Terra Batida

  • 15.11 2020
  • Evento online
  • para todos os públicos
  • 120 min
  • Em Português

Neste encontro, participantes do ciclo e das residências da rede Terra Batida falam das suas pesquisas e propostas: Ana Lucia Nobre, Ana Rita Teodoro, Bruno Caracol, Claraluz Keiser, Inês Andrade, Joana Levi, Leticia Skrycky, Luisa Homem, Maria Inês Gameiro, Maria Lucia Correia, Margarida Mendes, Marta Lança, Marta Mestre, Miguel Rego, Rita Natálio, Samuel Melro, Silvia das Fadas, Vera Mantero. Apresenta-se ainda o número especial do Jornal Mapa feito em colaboração com a rede Terra Batida.

Terra Batida é uma rede de pessoas, práticas e saberes em disputa com formas de violência ecológica e políticas de abandono iniciada por Marta Lança e Rita Natálio. O conhecimento singular e local de conflitos socioambientais, aliado à ação em rede, convocam resistência aos abusos extrativos e também pedem cuidado: para especular e fabular, para construir visões e vivências sensoriais entre mundos exauridos e exaustos.

Em 2020, Terra Batida enreda intervenientes das áreas da dança, cinema, performance e artes visuais com cientistas, cooperativas e ativistas com residências nas regiões de Ourique, Castro Verde, Montemor-o-Novo, Aveiro, Ílhavo e Gafanha da Nazaré. Estas residências acompanham contextos específicos para pensar e operar em múltiplas escalas locais, globais e multiespecíficas. Na região alentejana, discute-se desertificação, agricultura superintensiva e a concomitante extração de trabalho migrante, assim como minas desativadas e tóxicas, mares de estufas litorais, a falta de água e de gente, a conservação de espécies, formas de resistência comunitária e a leitura da paisagem segundo o seu povoamento; na região de Aveiro, problematiza-se a erosão acelerada da linha costeira, o tráfego portuário, a subida do nível dos mares e o desaparecimento da ria, garante da biodiversidade e da captação de carbono. Todos estes problemas evidenciam matéria de conflitos sociais, raciais e interespécie, contestando identidades e fronteiras, assim como o centrismo de certos problemas ecológicos a partir da mera contabilidade de vantagens/desvantagens para comunidades humanas.

Ao longo do Alkantara Festival 2020, a rede Terra Batida propõe um conjunto de momentos para partilha de performances, pesquisas e encontros no São Luiz Teatro Municipal.


JORNAL MAPA
O Mapa é um projeto de comunicação mas também um território de resistência em tempos de guerra. Através da informação, debate e discussão, propõe-se a desenvolver a crítica enquanto alimento do pensamento e de práticas de autonomia e liberdade em todos os aspetos da vida. Não está contido na zona de influência de grupos económicos ou partidos políticos de qualquer cor ou sabor. Mapa publica notícias, reportagens, investigações, crónicas, fotos, ilustrações, banda desenhada, com um olhar atento aos problemas ambientais em territórios próximos e mundiais. https://www.jornalmapa.pt/

Raquel Lima conversa com Rita Natálio e Marta Lança

Proposta rede 'Terra Batida' Marta Lança e Rita Natálio Propostas artísticas Ana Rita Teodoro, Joana Levi, Maria Lúcia Cruz Correia, Marta Lança, Rita Natálio, Sílvia das Fadas, Vera Mantero Artistas 2021 Ana Pi e Irineu Destourelles Diálogos Bruno Caracol, Claraluz Keiser, Inês Catry (com Marta Acácio), João Madeira, João Prates Ruivo, João Telha, Luísa Homem, Maria Inês Gameiro, Maria Mire, Margarida Mendes, Miguel Rego, Nuno Morão, Samuel Melro, Sílvia das Fadas, Teresa Castro Encontros Aveiro em Transição, Bioliving, Bioria, CEDRU, Circuito Arqueológico de Castro Cola, Climáximo, Comunidade dos Aivados, Cooperativa Integral Minga Montemor, ECOMARE/CPRAM, Fonte de Água Santa de São Miguel, Greve Climática Estudantil, Herdade Freixo do Meio, Herdade Monte dos Gregórios, Museu Marítimo de Ílhavo, Passeio de identificação de plantas comestíveis e medicinais (Évora), Projeto AIRSHIP/UA, Projeto de conservação de aves estepárias (Campo Branco) Proposta cénica Leticia Skrycky Produção Técnica (streaming) Um/Quarto Club com T00LEO Apoio técnico Sara Vieira Marques Equipa editorial plataforma digital Marta Mestre, Margarida Mendes Plataforma digital Nuno da Luz (Design), João Costa (Programação) Parceria media Jornal Mapa, BUALA Documentação Luísa Homem Produção executiva Associação Parasita Produtora Claraluz Keiser Coprodução Alkantara Apoios Câmara Municipal de Aveiro, Câmara Municipal de Lisboa, Câmara Municipal de Ourique, Governo de Portugal – Ministério da Cultura/Direção-Geral das Artes, Fundação Calouste Gulbenkian Residências Alkantara, Cads da Dança, Centro Cultural de Belém, Espaço do Tempo, Estúdios Victor Córdon, MDance, Monte das Doceitas, Not a Museum, PenhAsco, 23 Milhas.

Parasita e Alkantara são estruturas financiadas pela República Portuguesa-Ministério da Cultura/ Direção-Geral das Artes

Artigos relacionados:

Voltar ao inicio
This website is using cookies to provide a good browsing experience

These include essential cookies that are necessary for the operation of the site, as well as others that are used only for anonymous statistical purposes, for comfort settings or to display personalized content. You can decide for yourself which categories you want to allow. Please note that based on your settings, not all functions of the website may be available.

This website is using cookies to provide a good browsing experience

These include essential cookies that are necessary for the operation of the site, as well as others that are used only for anonymous statistical purposes, for comfort settings or to display personalized content. You can decide for yourself which categories you want to allow. Please note that based on your settings, not all functions of the website may be available.

Your cookie preferences have been saved.